terça-feira, 9 de dezembro de 2014

09 de Dezembro

O Super-herói

A Revista underground Zhalib-al-Bashimoy [geralmente traduzida como O invencível Homem Estrela] lançou-se hoje em 1947 na Livraria Heróis do Proletariado no centro de Shamaekheent. Seus desenhistas [um grupo de rapazes que hoje ganhariam o título de nerds] prudentemente não veio ao lançamento. [Sua atitude se revelou acertada quando o Partido proibiu a revista depois do terceiro número e mandou recolher os exemplares no mercado [transformando a revista hoje em cult e catapultando seu preço].

Bashimoy [o tal Homem-Estrela] ostenta o [um tanto tolo] galardão de ser uma das poucas criações amhitarianas que não clama por pioneirismo mundial – ao contrário, assume-se claramente inspirado por um tal que veio de certo Planeta Krypton e vive disfarçado de repórter foca de jornal bobo.

O primeiro herói em quadrinhos de Amhitar tem [não sem obviedade] a luz como sua grande arma: sempre que os contrabandistas, ladrões de joias ou mesmo paqueradores da sua sempre eterna quase-namoradinha Kyndal Yuna passam dos limites, ele pode emitir clarões que cegam e prendem [e que de vez em quando falham (como qualquer lâmpada queimada) para desespero dos fãs que torcem por ele].

Dizem que Stalin riu das histórias da sua distante província – tanto que ordenou que o herói tivesse bigodes, para ficar mais parecido com o Líder. Como os desenhistas se recusaram, a revista foi proibida. Essa versão [a muitos] parece demasiado parecida com histórias em quadrinhos para ser real.

Nenhum comentário:

Postar um comentário